sexta-feira, 18 de setembro de 2009

curta: maria imaculada



É muito fácil acabar com a imagem de mãe-toda-poderosa-imaculada-filha-de-maria. Nem tinha idéia de como nossa reputação era frágil. Era (assim no passado mesmo), por que a minha já foi ralo abaixo no esgoto da dignidade humana.
Lá vou eu me humilhar mais uma vez contando a vocês o que se passa entre as quatro paredes da minha vida (nada) privada (a essa altura do campeonato):

Era hora de dormir. Estava eu no quarto das crias acabando de ler um livro para eles e dando um beijinho de boa noite quando ouvimos um barulhinho. Daqueles desagradáveis. Daqueles que a gente sabe bem qual é e daonde veio. Imaginem se Fofoquinha e Matraca-Trica iam deixar passar batido:
-Mamãe, a Fofoquinha soltou um pum.
-Não fui eu não. Eu não soltei pum nenhum, mamãe. Foi Matraca-Trica.
-Não fui não. A Fofoquinha está dizendo que fui eu mas não foi. Eu não soltei pum!
-Mamãe, ele está mentindo! Eu não soltei pum, então só pode ter sido ele!
-Gente- confesso eu,... aliás confesso também que ia fazer cara de paisagem como manda a boa educação, mas minha tentativa foi frustrada tamanho o rebuliço ao redor do fato- que soltou pum fui eu.

Pois é, senhoras e senhores. Eu solto pum. A cara deles- olhos esbugalhados, um esboço de sorriso no canto da boca e um ponto de interrogação E-NOR-ME piscando em mil cores de neon no lugar do terceiro olho- mediante essa confissão veio acompanhada da seguinte frase de Matraca-Trica que falou pelos dois, na verdade:

-Mas...mamãe....as mamães soltam pum?!




2 comentários:

Xande e Nessie disse...

Hehehe!
Pois é, mães, princesas, fadas, todos soltam pum!
Mas parece que a gente esquece disso com muita frequência...

todoyda disse...

É bom que os filhos aprendam que somos humanas, kkkkkkkkkkk.
bjks
Cristiane